Maternidade e escolaridade: apenas 9,9% das mães de regiões de baixa renda no DF têm ensino superior completo

Entre mulheres de regiões mais abastadas, 83% têm diploma universitário. Segundo pesquisadora, ‘maternidade na capital apresenta desigualdade muito grande’.

No Distrito Federal, 42% das mulheres, com idades entre 20 e 39 anos com filhos, tem ensino superior completo. No entanto, entre as mulheres que moram nas regiões de renda mais baixa, apenas 9,9% das mães e 22% das mulheres sem filhos, completaram o ensino superior.

“A gente observa que mulheres com renda mais alta, com perfil de escolaridade mais avançado, tendem a ter filhos mais tarde, ou até não ter filhos”, diz a pesquisadora Andrea Felipe Cabello .

Os dados fazem parte de um estudo do Observatório de Políticas Públicas do DF (ObervaDF), referente a Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios (PDAD) da Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan).

De acordo com a pesquisa:

  • Nas regiões de alta renda, 83% das mulheres com filhos têm ensino superior completo
  • Nas regiões de baixa renda, 9,9% das mulheres com filhos têm ensino superior completo
  • Nas regiões de alta renda, entre as mulheres sem filhos, 84,7% têm curso superior completo
  • Nas regiões de baixa renda, entre as mulheres sem filhos, 22% têm curso superior completo
Distribuição de mulheres com idades entre 20 e 39 anos segundo grau de escolaridade e condição de maternidade, por grupos de renda, no DF — Foto: PDAD – 2021/Reprodução
Distribuição de mulheres com idades entre 20 e 39 anos segundo grau de escolaridade e condição de maternidade, por grupos de renda, no DF — Foto: PDAD – 2021/Reprodução

O DF também é a unidade da federação com menor índice de mulheres até 20 anos de idade que tiveram filhos. Brasília ainda concentra o maior percentual do país de gestação na faixa entre 30 e 39 anos.

Segundo a professora da UnB e pesquisadora do ObservaDF, Andrea Felipe Cabello, a maternidade em Brasília apresenta uma desigualdade muito grande.

“No final das contas, a maternidade, principalmente aquela não planejada, ainda está mais restrita a uma situação de vulnerabilidade econômica e de falta de estudo”, diz a pesquisadora.

Também de acordo com o estudo, quanto menor a renda, maior a proporção de mulheres com idades de 20 a 39 anos que não estudam e nem trabalham. No entanto, essa proporção é ainda mais elevada entre as mulheres com filhos.

Nas regiões do DF de mais baixa renda, 52% das mulheres nessa faixa etária com filhos não estudam nem trabalham. Entre as mulheres sem filhos, essa proporção cai para 41%.

“O não planejamento, principalmente de gravidezes que ocorrem em idade mais nova, até mesmo na adolescência, tem efeitos que perduram pela vida inteira da mulher, como, por exemplo, a evasão escolar. A participação de mulheres entre aqueles que nem trabalham e nem estudam é maior que a dos homens, o que sugere um efeito de maternidade sobre essa trajetória de estudos e profissional de nossas meninas”, explica Andrea Cabello.

Fonte: G1 DF

About equipemc

Check Also

Haddad quer união internacional para taxar super-ricos

Proposta foi defendida em reunião de ministros de Finanças do G20 O ministro da Fazenda, …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *