Suíça condena empresa que pagou propina a servidor no Brasil

A Sicpa foi alvo da Operação Vícios, da PF. A empresa foi acusada de pagar propina para obter contrato bilionário com a Casa da Moeda.

A empresa Sicpa, condenada no Brasil por pagar propina para fechar contrato bilionário com a Casa da Moeda, recebeu condenação também na Suíça.

Segundo informações divulgadas pelo governo suíço, nesta quinta-feira (27/4), a Procuradoria-Geral da Suíça condenou a Sicpa SA a pagar 81 milhões de francos suíços, o equivalente a R$ 450 milhões, por responsabilidade criminal corporativa relacionada a atos de corrupção.

De acordo com as investigações suíças, a Sicpa não tomou todas as precauções organizacionais necessárias e razoáveis para evitar subornos a funcionários públicos estrangeiros. Além do Brasil, a empresa teria pagado propina na Colômbia e Venezuela.

Um ex-gerente de vendas da empresa recebeu pena de 170 dias de prisão por pagar propina a altos funcionários na Colômbia e na Venezuela, entre 2009 e 2011. Outro processo instaurado contra ele por peculato e lavagem de dinheiro foi arquivado por falta de provas.

O processo penal contra o diretor-presidente e principal acionista da Sicpa foi suspenso.

Entenda

A Polícia Federal deflagrou a Operação Vícios contra Sicpa, em 2015. De acordo com as investigações, a empresa firmou, com a Casa da Moeda, um contrato de R$ 3,3 bilhões para executar serviços relacionados ao Sistema de Controle de Produção de Bebidas (Sicobe).

O procedimento licitatório teria sido direcionado para a Sicpa por um auditor fiscal da Receita Federal, mediante pagamento de propina.

Em 2019, a Justiça Federal condenou três pessoas envolvidas no esquema de corrupção. Dois anos depois, a Sicpa e outra empresa, a Ceptis, assinaram acordo de leniência no qual se comprometeram a devolver R$ 762 milhões aos cofres públicos.

Fonte: Metrópoles

About equipemc

Check Also

Flávio Dino reitera compromisso de atuar com imparcialidade no STF

Ele chega ao Supremo aos 55 anos e pode permanecer por 20 anos O ministro …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *