Home / Notícias > Brasília/Brasil/Mundo / Sinal de alerta contra a dengue

Sinal de alerta contra a dengue

Viaturas transitam pelas ruas das 33 regiões administrativas com mensagens em autofalantes para envolver a população na luta contra o mosquito Aedes

Viaturas do Corpo de Bombeiros Militar do DF (CBMDF) trocaram o som de emergência da sirene por mensagens em autofalantes alertando a população para os focos do mosquito Aedes aegypti. Percorrendo as ruas das 33 regiões administrativa, com mais uma missão, o “carro-de-som” vermelho da corporação emite a dica: “Atenção! O Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal alerta para que cuidem de suas residências eliminando focos do mosquito”.

Na mensagem, de 29 segundos, os militares reforçam dicas como: não deixar acumular água em vasilhas; tapar caixas d’água; além de cuidar da limpeza das calhas e das vasilhas dos seus animais. “Se necessário, solicite ajuda dessa viatura para inspecionar sua residência. Cabe a cada um de nós o dever de salvar vidas!”, completa o audio.

Depois de circular nas quadras, equipes dos bombeiros inspecionam as residências com um olhar minucioso e treinado para identificar possíveis criadouros do mosquito. Na semana passada, o alerta ecoou pelas ruas do Cruzeiro.

Diariamente, 30 militares, um ônibus e três carros são destacados para as ações de conscientização e visita – quantitativo que pode chegar a 200 servidores. “Estamos sempre à disposição da sociedade no que for preciso, seja na dengue, coronavírus, emergência ou lazer”, diz o coordenador da operação pelo CBMDF, o tenente-coronel Deusdete Vieira.

Como as chuvas já chegaram, os cuidados do governo estão redobrados e a Operação Dengue ganha força com o envolvimento da corporação. “Nossas ações consistem na conscientização e inspeção domiciliar para eliminar o foco do mosquito”, resume o comandante da operação.

Ação completa

Durante inspeção em uma residência no Cruzeiro, agentes do CBMDF verificaram ralos, as plantas do jardim e bebedouro para os animais. Ao visualizar um recipiente com água da chuva, a equipe encontrou larvas do mosquito. O morador, André Santos, 30 anos, professor, ficou surpreso. “Temos o hábito de armazenar água da chuva para regar o jardim, lavar a área”, contou. “Não vimos as larvas, e tinha poucos dias que a água estava guardada”, afirmou surpreso.

“A recomendação para André, que serve para todos, é vedar bem o recipiente onde será armazenada a água, de preferência acrescentando uma colher de chá de hipoclorito de sódio para cada litro”, explicou o tenente-coronel Deusdete. “Também é necessário lavar bem com água e sabão a embalagem, pois o ovo do inseto sobrevive até um ano em contato com o líquido”, completou.

Segundo ele, o Aedes Aegypti leva em média dez dias para se desenvolver e vive durante 30 dias. Uma única fêmea produz de 60 a 120 ovos em cada ciclo reprodutivo e pode ter mais de três ciclos durante sua vida. Por isso, a eliminação de criadouros deve ser feita pelo menos uma vez por semana – assim, o ciclo de vida do mosquito será interrompido.

Casos prováveis

De acordo com o último boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Saúde – semanas 1 a 45 de 2020 – foram notificados 46.145 casos prováveis de dengue. Foi observado, em 2020, um aumento de 22,7% no número de casos prováveis, na comparação ao mesmo período de 2019, quando se registraram 37.613 desses episódios.

Segundo o subsecretário de Vigilância à Saúde, Divino Valero Martins, o aumento de casos nesta época é esperado em razão das chuvas. Ele aponta outros fatores que contribuem isso: o clima tropical e a capacidade de adaptação do inseto ao ambiente de reprodução.

Os mosquitos podem estar desde em tampas de refrigerantes a grandes recipientes que armazenam água. A doença, explica Divino, não é relacionada às questões socioeconômicas da população, sendo alta sua incidência tanto em regiões de alto padrão quanto nas mais vulneráveis.

“Por isso é importante que cada cidadão tire dez minutos para inspecionar sua casa, o ambiente de trabalho e os lugares que frequenta para observar se há focos ou possíveis lugares de reprodução; só acabando com esses criadouros poderemos vencer essa guerra”, alerta o subsecretário.

Engajamento da sociedade

Divino Valero lembra que a participação da comunidade no processo de erradicação do mosquito da dengue é fundamental. Segundo ele, 95% dos focos do inseto se encontram em domicílio. “O perigo está no quintal e dentro das casas”, ressalta. “Qualquer campanha que não tenha a participação da população é em vão”.

Este ano, informa o gestor, foi firmada uma parceria com a Secretaria de Educação (SEE) para iniciar uma campanha com os alunos das escolas públicas. “A ideia é otimizar nossa rede de alcance, transformar os 500 mil alunos em agente comunitários de saúde, uma vez que estão em casa com o ensino remoto e podem atuar melhor”, avalia. Já em lugares fechados ou de difícil acesso, cabe ao CBMDF fiscalizar a área com equipamentos de visualização.

Os programas GDF Presente e DF sem Carcaça somam força nessa missão. O GDF Presente empreende vários serviços de manutenção e zeladoria pelas regiões administrativas, principalmente de limpeza e retirada de entulhos que são descartados de forma irregular. O DF sem Carcaça, por sua vez, retira das ruas veículos abandonados que, entre os riscos oferecidos, podem servir de criadouros para os mosquitos.

Sobre N Camargo

Veja também

Paraná prorroga toque de recolher para tentar conter casos da covid-19

Restrições estão em vigor até 31 de janeiro O governo do Paraná prorrogou até o …

Plano operacional da vacinação contra a Covid-19

Documento define diretrizes que cada área envolvida irá seguir em sintonia com o plano do …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *