PCDF acredita que quatro desaparecidos de família tenham sido mortos

Para delegado que investiga o caso, corpo de homem encontrado esquartejado na 4ª feira reforça tese de que pai e filho não seriam mandantes.

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) ainda procura por quatro pessoas da mesma família que desapareceram nas últimas semanas: Marcos Antônio Lopes de Oliveira, 54 anos; o filho dele Thiago Gabriel Belchior, 30; Cláudia, ex-esposa de Marcos Antônio; e a filha dela, Ana Beatriz.

Depois de localizado mais um cadáver, do sexo masculino, nessa quarta-feira (18/1), esquartejado e enterrado em um cativeiro no Vale do Amanhecer, uma das teses dos investigadores ganhou força.

A PCDF trabalha com duas hipóteses: uma das possibilidades é de que Thiago Gabriel e Marcos Antônio Lopes sejam vítimas do crime; a outra é de que ambos tenham ordenado os assassinatos, como levantado por um dos presos, em depoimento.

“Essa segunda linha de investigação está caindo por terra. Com esse corpo encontrado esquartejado, acreditamos ainda mais que os dois possam ser vítimas. Talvez o corpo seja de um deles. Mas ninguém sabe ainda”, afirma o delegado à frente das investigações, Ricardo Viana.

No fim de semana, os investigadores haviam encontrado seis corpos em carros carbonizados e em nome de pessoas desaparecidas. Agora, o delegado acredita que o caso se aproxima de um desfecho. No entanto, a PCDF ainda precisa descobrir as identidades dos sete corpos achados até o momento e a real motivação do crime.

“Temos trabalhando para saber quem era esse homem enterrado no cativeiro e para encontrar os [quatro] desaparecidos. Se encontrarmos mortos, prevalece uma linha de investigação. Se estiverem vivos, será [adotado] outro caminho”, acrescenta Ricardo Viana.

Até o momento, a polícia prendeu três suspeitos de cometer o crime.

Fonte: Metrópoles

About equipemc

Check Also

Inteligência Artificial vai afetar 40% dos empregos em todo o mundo

A estimativa está em um relatório divulgado pelo FMI A Inteligência Artificial vai afetar 40% dos empregos em …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *