Mulher que morreu em fila da assistência social no DF estava doente e não podia trabalhar

Janaína Araújo tentava atendimento há oito dias, para ter direito ao Benefício de Prestação Continuada (BPC). Vítima chegou a ser levada ao hospital por populares, mas não resistiu.

A mulher de 44 anos que morreu enquanto aguardava atendimento na fila do Centro de Referência em Assistência Social (Cras) do Paranoá, no Distrito Federal, estava doente e não podia trabalhar. Por isso, Janaína Araújo tentava conseguir o Benefício de Prestação Continuada (BPC), um auxílio de um salário mínimo pago a idosos e pessoas de baixa renda que têm algum tipo de deficiência.

A companheira de Janaína, que preferiu não se identificar, contou que a mulher era hipertensa, obesa, sofria de síndrome do pânico, depressão e ansiedade. As duas viveram juntas por 10 anos.

De acordo com a companheira, Janaína estava com a saúde debilitada e sem poder trabalhar, e queria o benefício para ajudar nas contas de casa. Janaína tentava há oito dias atendimento no Cras.

Nesta quarta, ela decidiu passar a madrugada na fila para conseguir uma senha. No entanto, começou a se sentir mal.

Testemunhas contaram que Janaína dormia no carro, quando uma amiga pediu ajuda e disse que ela estava passando mal (veja vídeo abaixo). “Quando a gente chegou lá, ela estava com sintomas de que estava enfartando”, contou uma mulher que preferiu não se identificar.

A Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes-DF) lamentou a morte e disse que “manifesta solidariedade aos familiares e amigo”. A pasta informou ainda que está prestando toda a assistência necessária” (veja íntegra da nota abaixo).

Socorro

Pessoas dormem em frente à unidades do Cras para conseguir senhas de atendimento no dia seguinte — Foto: TV Globo/Reprodução

Pessoas dormem em frente à unidades do Cras para conseguir senhas de atendimento no dia seguinte — Foto: TV Globo/Reprodução

Outras pessoas que também estavam na fila contaram que Janaína começou a passar mal por volta das 4h. As testemunhas disseram que tentaram chamar o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas não receberam socorro. Janaína foi levada ao hospital por populares.

Em nota, a Secretaria de Saúde informou que a vítima se sentiu mal por volta das 20h de terça-feira (16), mas não procurou atendimento médico. De acordo com a pasta, “às 4h18, houve um registro de chamado realizado ao Samu, no entanto, aos 41 segundos, a ligação foi interrompida pelo solicitante”.

“Registra-se que o médico regulador sequer teve oportunidade de ser informado do quadro da paciente”, diz a secretaria.

A pasta disse ainda que, às 4h26, Janaína deu entrada no Hospital Regional do Paranoá com “rosto roxo, corpo rígido e pupilas médio fixas”. A vítima passou por ressuscitação cardiopulmonar, mas não resistiu e teve óbito declarado às 5h.

“Foi solicitada necropsia do corpo para identificar a causa da morte”, informou a secretaria de Saúde do DF.

Atendimento

População tenta atendimento no Cras do Itapoã, no DF — Foto: TV Globo/Reprodução
População tenta atendimento no Cras do Itapoã, no DF — Foto: TV Globo/Reprodução

O Cras é responsável por serviços como cadastramento ou atualização dos dados no CadÚnico, para que pessoas de baixa renda possam ser incluídas em programas como Tarifa Social de Energia Elétrica e BPC, além de dar direito ao Auxílio Emergencial e ao Auxílio Brasil, entre outros benefícios.

O benefício que Janaína buscava, o BPC, paga um salário mínimo a idosos com mais de 65 anos e a pessoas com deficiência que não conseguem garantir o próprio sustento. No entanto, na capital, desde junho, dezenas de pessoas têm passado madrugadas nas filas dos Cras, em várias regiões de Brasília, para conseguir acesso a benefícios sociais (veja detalhes abaixo).

No Cras, número de senhas disponibilizado diariamente pela Sedes não é suficiente para atender a todas as solicitações. Por isso, os usuários muitas vezes precisam dormir na fila, para garantir o atendimento.

A situação tem levado a reclamações, além de conflitos entre as pessoas que aguardam atendimento. Na semana passada, a Polícia Civil do DF também abriu uma investigação para apurar uma denúncia de venda de vagas na fila dos centros.

A suspeita é que criminosos tenham se aproveitado da dificuldade no atendimento para cobrar até R$ 100 e garantir um lugar na fila.

O que diz a Sedes?

Em nota, a Sedes afirmou que, na quarta-feira, realizou 108 atendimentos no Cras do Paranoá, “considerando demanda espontânea, pessoas agendadas e atendimento com algum especialista”.

A pasta diz ainda que “vem promovendo seguidas ações para viabilizar cada vez mais o atendimento ao cidadão”. Veja íntegra da nota abaixo:

“É com profundo pesar que a Secretaria de Desenvolvimento Social tomou conhecimento de que a senhora Janaína Nunes Araújo, 44 anos, sentiu-se mal nas proximidades do CRAS Paranoá e que, após ser socorrida e levada ao Hospital Regional do Paranoá, veio a óbito.

Diante do lastimável ocorrido, esta secretaria manifesta solidariedade aos familiares e amigos, e informa que está prestando toda a assistência necessária.

Em relação às pessoas que buscam por atendimento nas diversas unidades da Sedes, a pasta destaca que promove constantes alinhamentos com as forças de segurança para atuação nesses locais. Além disso, a orientação para qualquer intercorrência percebida pelo cidadão é que acione o CORPO DE BOMBEIROS MILITAR, o SAMU ou a POLÍCIA MILITAR, respectivamente, pelos telefones 193, 192 e 190.

A distribuição de senhas varia de acordo com a capacidade de atendimento diária de cada unidade. No caso do CRAS PARANOÁ, ontem foram 108 atendimentos considerando demanda espontânea, pessoas agendadas e atendimento com algum especialista. Além dessa atuação na unidade, foi inaugurado mais um posto de atendimento na região, com o objetivo de aumentar o número de atendimentos.

Em relação à redução da demanda e da espera por atendimento, a Secretaria de Desenvolvimento Social informa que vem promovendo seguidas ações para viabilizar cada vez mais o atendimento ao cidadão, das quais

1 – Reestruturação do quadro de pessoal, com mais de mil nomeações de novos servidores da carreira de assistência social;

2 – Ampliação da carga horária dos servidores de 30 para 40 horas. Com isso, a média de atendimento mensal dos 29 Cras sobe de 30 para 42 mil;

3 – Depois de 10 anos sem inauguração, abrimos 4 unidades nesta gestão: 2 CRAS (Sol Nascente e Recanto das Emas), reabertura do CRAS Samambaia Expansão e um CREAS em São Sebastião;

4 – Equipe móvel para as regiões com maior índice de vulnerabilidade social. Só esta equipe faz uma média mensal de 2,5 mil atendimentos;

5 – Parceria com uma organização da sociedade civil colocando mais 14 pontos de atendimento de cadastro único. As unidades do Paranoá, Estrutural e Santa Maria começaram a funcionar no dia 11 deste mês (quinta-feira). Nesta semana, começaram a operação no Gama e em Planaltina e os demais gradualmente no decorrer de agosto.

6 – Convênio com o Corpo de Bombeiros para realizar mutirões aos sábados para preenchimento e atualização do Cadastro Único nos CRAS, iniciado na semana retrasada;

7 – Atuação conjunta com a EMATER, com foco no atendimento das famílias residentes na zona rural do Distrito Federal;

8 – Atendimento da SEDES nas 7 unidades do NA HORA, sendo que antes não tinha.

O atendimento era feito em 26 CRAS. Com essas medidas teremos 50 pontos de atendimentos socioassistenciais no DF.”

Fonte: G1 DF

About equipemc

Check Also

Haddad quer união internacional para taxar super-ricos

Proposta foi defendida em reunião de ministros de Finanças do G20 O ministro da Fazenda, …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *