Índice de feminicídio no Distrito Federal está acima da média do país

O DF está entre as unidades federativas com altas taxas de mulheres mortas no Brasil. Somente nos primeiros 45 dias do ano, a capital federal registrou seis vítimas desse crime covarde. Especialistas falam em união de esforços de toda a sociedade civil.

O Distrito Federal está entre as 13 unidades federativas com maior taxa de feminicídio. Os dados, referentes a 2021, são do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, publicado no ano passado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). Com 1,6 caso de feminicídio a cada 100 mil habitantes, a capital do país está na sétima posição, junto com Maranhão, Rio Grande do Sul e Roraima. O índice é maior do que o quantitativo nacional, com 1,2 caso. De lá para cá, o quadro não amenizou. Somente nos primeiros 45 dias de 2023, seis brasilienses foram mortas. A última foi na manhã de segunda-feira, no Gama: Simone Sampaio Melo, de 40 anos, foi assassinada pelo ex-companheiro, João Alves Catarina Neto, 45.

O levantamento mostra que 1.341 mulheres foram exterminadas em todo o Brasil em 2021. De acordo com o anuário, esse alto número sugere uma falha do Estado quanto à garantia de eficácia às medidas protetivas de urgência, além de pontuar que a violência doméstica é progressiva, ou seja, tende a começar com agressões verbais, humilhações e constrangimentos, podendo evoluir para agressões físicas e até mesmo a morte. “Portanto, até chegar ao extremo de ser assassinada, a vítima muito provavelmente já passou por outros tipos de agressão e, em muitos casos, já buscou ajuda do Estado, o qual, por sua vez, mostrou-se incapaz de assegurar-lhe a devida proteção”, destaca o documento.

Professor de direito do Centro de Ensino Unificado de Brasília (Ceub), Victor Quintiere aponta que a função dos governos federal e estadual não é somente repressiva diante daqueles que cometeram crimes, mas também de índole preventiva. Além das campanhas educativas, o especialista chama atenção para a estruturação da administração pública, em especial na segurança, fazendo com que órgãos relacionados possam agir com maior efetividade. “Por exemplo, aqui no DF, vivenciamos um cenário de alta demanda em que, muitas vezes, os órgãos não só da Segurança Pública, mas o próprio Poder Judiciário, acabam não conseguindo dar vazão suficiente para o devido tratamento e resposta a esse tipo de problema, que gera grandes consequências para toda a sociedade”, exemplifica.

Proteção à mulher

Segundo o Relatório de Monitoramento dos Feminicídios no DF, da Secretaria de Segurança Pública (SSP-DF), em 2022, 18 mulheres foram vítimas dessa tragédia. Onze delas deixaram 33 órfãos, dois quais 27 eram menores de idade. O balanço indica que 17% das vítimas haviam registrado ocorrências anteriores de violência praticadas pelo mesmo autor e que, em 33% dos casos sem registro, há informações de testemunhas de agressões sofridas anteriormente e não registradas. 

A pasta também produziu o Relatório de Monitoramento dos Feminicídios Tentados no DF, que mostra a ocorrência de 66 tentativas contra a vida feminina entre janeiro e dezembro de 2022, uma a menos que no ano anterior. O levantamento aponta também que, em 53% dos casos, a principal motivação foi ciúme e possessividade por parte dos parceiros. Do total de casos, 23 mulheres haviam registrado ocorrências, sendo que duas haviam feitos seis boletins e uma chegou a fazer 13 ocorrências, além de 20 requererem medidas protetivas de urgência.

A advogada especializada em direito e gênero Mariana Nery ressalta que é de suma importância que as mulheres conheçam seus direitos para poder exigi-los. “Elas já se encontram em uma situação de vulnerabilidade perante a sociedade, uma vez que, por séculos, não tiveram nem mesmo seus direitos humanos reconhecidos. Uma mulher que desconhece os seus direitos está mais suscetível a acreditar nas palavras do seu abusador”, pontua. 

Para a especialista, é imprescindível que o Código Penal e o Código de Processo Penal sejam atualizados e tenham dispositivos que garantam a aplicação das novas leis que foram promulgadas para a defesa das mulheres. “Para garantir que as medidas protetivas não sejam quebradas e resultem na morte da vítima de violência doméstica, é preciso uma maior diligência da polícia e do Judiciário quando a mulher comunica ao Estado o descumprimento dessa medida por parte do abusador”, avalia.

Também produzido pelo Fórum Brasileiro, o relatório Violência contra meninas e mulheres no primeiro semestre de 2022 mostra que o DF reduziu em 50% os casos de feminicídio no período em relação ao ano anterior. A capital do país foi a unidade federativa que mais apresentou queda, mas os primeiros 45 dias deste ano mostram um cenário assustador com seis ocorrências. O número já corresponde a 75% dos casos registrados na primeira metade do ano passado.

Segundo a Secretaria de Estado da Mulher do Distrito Federal, de 2015 para cá, aproximadamente 280 crianças ficaram órfãs do feminicídio. A estatística alarmante levou a governadora em exercício, Celina Leão, a criar uma força-tarefa para prevenir esse tipo de crime. Composto por nove secretarias do DF, o grupo vai atuar com medidas e campanhas de combate à violência contra a mulher e terá prazo de 45 dias para apresentação de relatório final, com as medidas a serem implementadas.

Punição

Na esfera judicial, três acusados pelos crimes de feminicídio registrados em 2023 no DF já se tornaram réus. Maxwel Lucas Pereira de Oliveira, 32, acusado de assassinar a namorada Fernanda Letícia da Silva, 27; André Luiz Muniz dos Santos, 52, acusado de assassinar a esposa Mirian Nunes, 26; e Wellington Rodrigues Ferreira, 38, acusado de assassinar Giovana Camilly Evaristo Carvalho, 20. Os últimos dois crimes — um cometido contra Izabel Guimarães, 36, e o que vitimou Simone Sampaio, 40 — não chegaram ainda à esfera de apresentação da denúncia por parte do MPDFT. Os inquéritos ainda não foram concluídos pelas delegacias responsáveis. Já João Inácio dos Santos, 54, autor do feminicídio de Jeane Sena da Cunha Santos, 42, tirou a própria vida após o crime.

Fonte: Correio Braziliense

About equipemc

Check Also

Flávio Dino reitera compromisso de atuar com imparcialidade no STF

Ele chega ao Supremo aos 55 anos e pode permanecer por 20 anos O ministro …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *