Egov oferece curso sobre regime jurídico dos servidores públicos

Inscrições estão abertas até terça (24); Lei Complementar nº 840/2011 será objeto de estudo em 20 horas de atividades.

A Escola de Governo (Egov) abriu inscrições para a primeira turma de 2023 do curso sobre a Lei Complementar nº 840/2011, que dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da administração direta, autárquica e fundacional e dos órgãos relativamente autônomos do Distrito Federal.

“A atualização e o compartilhamento de conhecimentos sobre as regras que disciplinam as carreiras, o regime e a jornada de trabalho são imprescindíveis para o bom relacionamento entre os servidores e a administração pública”Hudson Rocha de Oliveira, instrutor do curso

As inscrições estão abertas até terça-feira (24), no site da Egov, e há 30 vagas disponíveis. As aulas serão realizadas no período de 30 de janeiro a 3 de fevereiro, das 8h às 12h.

O objetivo do curso é fornecer aos participantes uma compreensão abrangente da legislação dos servidores do governo, incluindo os direitos, deveres, garantias e possíveis sanções aplicáveis.

O curso será ministrado pelo instrutor Hudson Rocha de Oliveira, que é servidor do Governo do Distrito Federal (GDF) e mestre em Planejamento e Gestão Ambiental e especialista em Direito Público e em Gestão Pública. Ele comenta a importância do tema: “A atualização e o compartilhamento de conhecimentos sobre as regras que disciplinam as carreiras, o regime e a jornada de trabalho são imprescindíveis para o bom relacionamento entre os servidores e a administração pública”, explica o instrutor.

A capacitação tem carga horária de 20 horas e as aulas acontecem na sede da Egov, localizada no Setor de Garagens Oficiais, próximo ao Palácio do Buriti.

Serviço
Curso: Lei Complementar nº 840 – 2011
– Período: de 30 de janeiro a 3 de fevereiro
– Horário: das 8h às 12h
– Carga horária: 20 horas
– Modalidade: presencial
– Inscrições: até terça-feira (24), neste link.

About equipemc

Check Also

Flávio Dino reitera compromisso de atuar com imparcialidade no STF

Ele chega ao Supremo aos 55 anos e pode permanecer por 20 anos O ministro …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *