DF diz que 1.398 presos por atos golpistas foram levados a penitenciárias

A Secretaria de Administração Penitenciária do Distrito Federal informou que 904 homens e 494 mulheres presos nos ataques aos prédios dos Três Poderes foram encaminhados para penitenciárias. A última atualização do governo foi feita nesta quarta-feira (11), às 20h. Os presos homens foram levados para o Centro de Detenção Provisória do Complexo da Papuda e as mulheres para a Penitenciária Feminina do DF, conhecida como Colmeia.

A maior parte dos bolsonaristas foi presa no acampamento em frente ao quartel-general do Exército de Brasília —desmontado na segunda-feira por determinação do STF (Supremo Tribunal Federal), um dia após os ataques. Audiências de custódia devem ser encerradas até domingo (15). O CNJ (Conselho Nacional de Justiça) informou que o ministro do STF Alexandre de Moraes autorizou que os juízes façam audiências em sistema de mutirão. Segundo o conselho, outras 599 pessoas foram liberadas após serem fichadas. Entre elas:

  • idosos;
  • pessoas com problemas de saúde;
  • mães acompanhadas de seus filhos com menos de 12 anos

Como são os presídios?

A Papuda é o maior complexo penitenciário de Brasília, formado por quatro unidades, com capacidade de 5.300 detentos, mas reúne 12 mil pessoas, enfrentando superlotação. O complexo já abrigou presos famosos, como Marcola, considerado líder do PCC (Primeiro Comando da Capital), e os ex-deputados José Dirceu e José Genoino, presos após investigação do Mensalão. Já a Colmeia possui dois blocos — um para prisão provisória e outro para regime semiaberto.

Prédios destruídos

Os bolsonaristas golpistas invadiram os prédios do Congresso Nacional, do Palácio do Planalto e do STF na tarde domingo (8) e destruíram obras de arte, portas, cadeiras e quebraram vidros. Após os ataques, o presidente Lula decretou intervenção federal no DF.

Fonte: Uol

About equipemc

Check Also

Haddad quer união internacional para taxar super-ricos

Proposta foi defendida em reunião de ministros de Finanças do G20 O ministro da Fazenda, …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *