Câmera flagrou bolsonaristas radicais colocando bomba em caminhão no DF

Câmeras de segurança ajudaram a polícia a identificar que dois dos três homens acusados de planejar e tentar executar explosão de uma bomba em um caminhão com querosene no DF foram os responsáveis por plantar o artefato no local. Imagens do próprio veículo gravaram o momento no qual Wellington e Alan passam de carro.

De acordo com informações do Fantástico, da TV Globo, o monitoramento da tornozeleira eletrônica de Wellington Macedo de Souza permitiu à polícia refazer os passos deles na véspera de Natal do ano passado. O suspeito já cumpria prisão domiciliar porque era investigado por incentivar atos antidemocráticos em setembro de 2021.

“Algumas pessoas ali se achavam inatingíveis, protegidas naquele acampamento. Talvez, por isso, ele [Wellington] tenha tido essa audácia de colocar a bomba”, disse o delegado Leonardo de Castro Cardoso.

Segundo a investigação, Alan recebeu a bomba de George no acampamento em frente ao Exército, em Brasília. Wellington, então, o levou de carro até o local do atentado, nas proximidades do Aeroporto, onde Alan colocou a bomba na traseira esquerda do caminhão.

Um tempo depois, o motorista do veículo chega e faz uma verificação – momento no qual identifica a caixa com o explosivo e aciona a polícia.

Hoje, o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios aceitou a denúncia do Ministério Público e tornou os trêos homens réus. A decisão foi publicada na terça-feira passada (10), mas só se tornou pública após o magistrado levantar o sigilo do processo na sexta-feira (13).

Quem são os três réus?

  • George Washington de Oliveira Souza
  • Alan Diego dos Santos
  • Wellington Macedo de Souza

Trio tentou acionar bomba, sem sucesso. A investigação também mostrou que a bomba foi acionada, mas não funcionou por um erro técnico na montagem. A estimativa dos peritos é de que, se tivesse funcionado, além do incêndio, a bomba causaria a explosão do tanque de combustível.

George Washington de Oliveira Souza foi preso logo após a descoberta do artefato. Ele confessou o plano, disse que gastou R$ 170 mil com armas para um possível atentado e acusou Alan Diego dos Santos de ser parceiro na tentativa do crime.

Wellington Macedo de Souza também já foi preso. O único foragido é Alan Diego dos Santos, que tambémé suspeito de liderar os ataques à sede da Polícia Federal em 12 de dezembro.

Os três vão responder pelo crime de explosão. Segundo o Código Penal, trata-se de expor a perigo a vida, a integridade física ou o patrimônio de alguém mediante explosão, arremesso ou colocação de dinamite ou substância análoga. A pena pode variar de três a seis anos de prisão, além de multa.

Os réus também respondem a processos relacionados ao crime de terrorismo, mas este caso tramita na Justiça Federal.

Fonte: Uol

About equipemc

Check Also

Palácio do Buriti e Torre de TV recebem iluminação especial do Abril Azul

Iniciativa faz parte da campanha de conscientização e visibilidade do Transtorno do Espectro Autista (TEA). …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *